"Alma limpa, amor na transversal...
Planejando o (in)certo"


29 de julho de 2017

A língua não quer calar

Se não fosse tola com tendências malucas e propensões inapropriadas e inacessíveis não seria eu... Sou assim! Estrago me afasto (ou me esforço muito para tal)...
Meio termo e situações que não permitem abraços são muito confusas pra mim, nunca me reconheci tão bipolar, mimada e nada capricorniana ao mesmo tempo...
Eu devo ser muito perdida (ou aí já entramos na parte do TPB) gente, gosto, me apego, gosto muito, me preocupo, sinto falta...
Não acho o ser humano passível de compressão, mas respeito... 
Não sabia que respeitar doía...
Só queria abraços sinceros, entregas reais...
Sei que sou sentimento de mais, essa Márgara aqui é sentimento de mais, ela quer voar de balão ela quer se envolver, ela quer carinho, precisa de colo umas 3x por dia, porque a vida judia de umas formas que não dá pra prever...
E não, as coisas não se resolvem com plástica, talvez só piorem (será que já enxergaram isso por esse lado?)
A vida é um caos infinito, estou cansada de morar nesse caos sozinha...


Quero dividir minha vida, meu caos meus danos, quero somar tudo isso a delicadeza de alguém...
Quero que um certo alguém apareça numa tarde despretenciosa de terça e me tome por inteiro..
Quero não ter me encantando de verdade por uma pessoa "inviável"...
Quero me pertencer...
Quero não ter lembranças suas...
Quero me lembrar de esquecer...


Ainda há tempo para o chá das 17h?

Com o poder da execução...

Não quero não estar acompanhada nos sábados (véspera dos domingos detonadores de alma)
Não quero não estar perdidamente apaixonada e não ter certeza (como se isso a gente tivesse em algum momento)
Não quero não assistir minha listinha de filmes acompanhada...
Não quero não partilhar momentos (esses, como agora que não sei o que você está fazendo porquê claramente não faço parte da sua vida...)
Não quero não me perder em uma conversas insana porquê é isso que gente como eu faz quando está com medo do desconhecido...

Não quero ser a outra...
Não quero ser mais uma...
Não quero mais essa confusão...
Não quero mais não "pertencer" a ninguém...



Chega um momento na vida que tudo que a gente quer é uma xícara turquesa com chá de cidreira....

28 de julho de 2017

A crise do lítio não funciona

Muitas vezes uma voz que talvez seja minha me conta estórias de como tudo deveria ser...
Ela narra em voz alta: um enredo que não se reproduz da forma que é narrado...
Essa voz vem, sorri, vai embora...
Ela canta, tem rompantes...
Não sei se sou eu...
Para onde estou indo?
Os caminhos não se cruzam...
Estou ficando assustada; sempre tem congestionamento na T63...

26 de julho de 2017

Sobre (des)esperar (des)apegar

Ô coração!
Se existe alguma normativa que sabe nos dizer, o que fazer...
Paire sob minha alma...
Vos rogo, vos peço, interceda...
É com muito clamor, sabedoria que peço para enfrentar os dias que virão...
Nossos corações talvez não aguentem... 
Talvez fiquem felizes, plenos radiantes e  solícitos com uma novidade...
Tento não criar expectativas, tento não imaginar o que seria se ficássemos juntos...
Quero teu beijo, teu abraço...
Teu desespero...
Quero você por inteiro...
Talvez não seja possível...
Talvez demore...
Talvez não saibamos...
Pois, não imploda, não faça drama, lembre-se sempre de mim...
Me de bôdias imaginários e diga genteeeeee....
Te amo...
Seu sempre passado presente!

25 de julho de 2017

A gente brinca, a gente ama...






Você roubou/ganhou espaço do privado perfeito tão protegido...
Meu amarelo belo...
Sorrisos contusões e paz...
Tão meu, meu caos, drama, chuva e lágrimas...
NOSSO.
Tão poente, nosso...
 Te trago, divido, reparto...
Despacho...

24 de julho de 2017

Toda torta

"Você foi, você é minha licença poética...
Meu ponto e vírgula; o incerto certo de que ter/ser alguém na hora errada não convém"

May

Tenho uma amiga que me conhece melhor que ninguém... 
Uma amiga que mora longe e isso impossibilita abraços... 
Dá saudades...

Estreitas laços... 
Uma amiga que é feita de açúcar, café, danos e caos... 
Amor atemporal! 
Tenho uma amiga que supera as barreiras, enfrenta danos colaterais... 
Que seguiu em frente, segue... 


Me mata de saudades...