"Alma limpa, amor na transversal...
Planejando o (in)certo"


30 de setembro de 2011

Rio-Rock-In-Rio-2011

Agente entra em um avião: coisa sem graça
Vai pra cidade do rock: toda desanimada
Passa pela praia: Ai que enjoo
Compra anel de cristal: ele quebra
Bebe chopp: não o suficiente
Toma banho: não de mar
A maré tá alta: copacabana é uma dualidade -linda e suja.
Não dá pra andar: isso que dá viajar doente
O quarto é legal: não sai de lá
Tem cada maluco: na cidade do rock
Tem cada bonito: na cidade do rock
O rio é sujo: as pessoas são feias
Os cariocas : são deselegantes
As garotas: estranhas
As comidas: tem nomes esquisitos
O pão de açúcar -o super mercado: é só mais um mercadinho meia boca
Eu gostei do arpoador: mas nem cheguei muito perto
No rio: o clima é bom
A cidade do rock: é linda, tem grama artificial
No rio: táxi é barato
No rio: os meus pensamentos se sedimentaram os mesmos
No rock in rio: eu chorei
No aeroporto: eu chorei
No hotel: eu chorei
No rio: muita make eu usei, muito batom vermelho ousei
No rock in rio: stand by me eu cantei
No rock in rio: um anel eu ganhei

No rio, rock in rio: muitos sentimentos eu experimentei, muitas experiências eu passei, no rio, rock in rio eu não deixei de ser, muita dor eu senti, muitas pessoas eu vi, muitos amores eu senti, muitas barreiras eu não quebrei!





Rock in rio 2011/09/25


14 de setembro de 2011

Desejo simples desejo...

Não comprar sapatos por pelo menos um ano, rir de mim mesma mais vezes, sorrir pra vida não rir dela- talvez com ela-, conhecer gente nova e inovar sempre, reciclar novas-velhas-melhores amizades, ser acima de tudo uma pessoa agradável, não fingir virtudes, não ir pelo mais fácil, não julgar "pela capa", não comprar sempre o mais caro , atravessar ruas, andar de ónibus, caminhar pela manhã, malhar nas tardes, e nadar aos domingos, ir ao zoológico, conversar com meu pai, acompanhar minha mãe, deixar meu irmão ''livre", fazer escolhas rápidas, não ser tão sincera, ser mais paciente, ser mais gente, visitar minhas tias, cuidar da minha gatinha, usar make suave, comprar mais tons vermelho de batom, usar óculos de grau retrô, deixar o cabelo crescer, ser loira-ruiva-morena-castanha-azulada, experimentar outros perfumes, não ter medo do novao, trabalhar em agência, fazer curso de moda-design de interiores-fotografia, treinar a escrita, ser redatora publicitaria por um dia, atendimento por dois, olhar sempre pro ceu, contar estrelas, rezar pra São Miguel Arcanjo, aprender atividades domesticas, praticar algumas, assistir mais filmes velhos, viajar nas férias, juntar dinheiro, aprender o mais rápido possível três idiomas, não beijar 3 bocas em uma noite, não me cortar, não rasgar fotografias, não queimar revistas, cuidar do meu jardim, construir um closet, pintar mais quadros, treinar meu desenho, me especializar em alguma área gostosa da publicidade, fazer curso na ESPM, ir a Gramado novamente ano que vem, ir a convenções, conhecer o Chile, ir a mais cafés, lutar pelos meus objetivos, fazer curso de design grafico, usar estampas, vestidos rodados, sair de saia, usar o corel sei-lá como, não pedreirar no photoshop, multiplicar ao invés de somar!

Ter desejos simples, palavras certeiras, sentimentos condizentes, amores reais, vida plena e medo da morte!

À que se entende...?!


 
Éramos cinco - um quinteto.
Tão nobres, cúmplices, amigos?!
Até então alegres, companheiros, verdadeiros...

Mas como tudo na minha doce vida não poderia dar certo...
Não os cinco,
um se foi -meu coração partiu-, ele se foi por seis meses
voltou amigo meu como sempre, um irmão adorado!

Éramos quatro, - um quarteto
amigos, cúmplices, sócios
Mas como tudo na minha doce vida...
Meu coração se partiu

Fomos quatro...

Agora?!
São três
e eu?!

Sou uma 
Partida,
dividida, 
trocada
e
substituída

Sou as partes os cinco, sofro pelos que não me são, e essa dor de ser...
ser partes
ser cinco
ser cúmplice
ser amigo...

Que dor, que sentimento maluco, desapropriado
Que falta de equilíbrio
Eu posso chorar, eu posso ser cinco e não ser eu mesma, eu sou eles, as partes rasgadas do que sobrou...

O sorriso que os lábios de um demonstrou
A falta de coragem que faltou
As palavras de amizade que ao chão foram
As pedras que ao céu lançamos
Cinco almas atreladas e definitivamente separadas?!


Eu fui...

7 de setembro de 2011

Toda me embalei...



Olá

Hoje não é sexta nem sequer domingo, o fato é que eu me perdi no embalar dos teus verdes olhos, no elogiar descomedido, nesse teu sorriso sem juizo...

Eu que de mim pouco sei estive ausente, 
ausente de corpo presente daí, cabeça distante, sentimentos perdidos!
Eu que de mim pouco sei de barco viajei e em uma tempestade me afoguei...
Eu que de mim pouco sei  de mãos dadas caminhei, chocolate tomei, abraços ganhei...


Eu que de mim pouco sei estive só, mas não independente...
Eu que de mim pouco sei estradas atravessei, sorrisos delirei, amores encantei...
Eu que de mim pouco sei continuei e nada rimei!

Eu que de mim muito soube,
amores elaborei, 
situações previ,
amigos ganhei,
falas deixei,
laços cortei,
intrigas armei,
taças quebrei!

Eu que de mim aos poucos me descobri, estórias escreverei, musicas cantarei e palavras gerundiarei!

Eu que muito me encantei percebi que o futuro é logo ali,
e que sorrisos
e abraços 
e laços 
são presentes maguinificos!

Eu que muito me arrebentei,
pessoas conquistei, 
corações arrebatei, 
sentimentos disfarçei,

MUITO ME ENGANEI!
Muito ganhei!