"Alma limpa, amor na transversal...
Planejando o (in)certo"


30 de novembro de 2010

Realidade?


E então bonequinha?
Tropeçou e caiu na escadinha?

É mais uma queda...
e uma labilidade emocional fatal
estou com nojo de mim, como nojo das minhas atitudes...
Na verdade eu tenho nojo das atitudes humanas -não todas claro- mas de boa maioria...

Atitudes humanas que são muitas vezes encobertas por transtornos psiquiatricos...
Eu não me escondo atrás disso
Sou eu mesma, se digo algo sou EU

Claro que ocorre a dissociação mas isso não sou eu!

Eu queria que as pessoas fossem realmente honestas...
Infelizmente não tenho mais como acreditar nisso
É sou criançinha inacabada...
Por enquanto!
Vou me esforçar ao máximo pra que isso não exista mas em mim, pra que essa se vá, e que eu cresça uma mulher forte, ousada e inteligente...

Independente de ninguém!

Ahh mas eu vou me esforçar pra isso
vou me dedicar com todo afinco possível...

Eu posso mudar isso
Ela pode...

Sem mentiras, anestésicos, choro ou gritos
Ah! Sem lâminas também!

Nesse momento não acredito em mim, mas o improvável acontece

E essa bonequinha aqui vai crescer...
Sem devaneio alguém

Posso estar sendo equivocada, mas não escondo o que sinto o que almejo/desejo...
Infelizmente fiz do meu mundo um lugar imundo...

Preciso de ajuda pra acabar com isso, e preciso dos meus amigos
aqueles meigos amáveis e quem tem vontade de me bater as vezes...
esses que estão longe, aqueles que ao mesmo tempo perto mas distantes
outros que ainda habitam em mim
alguns que são tão eu e me caem tão bem!

Conto com a inexperiência crua de tos nos, e abraços inquietantes e risadas no carro, no fundo da sala... No choro provocado por desentendimentos tolos, nas picuinhas pelo preço do restaurante, nos meus futuros sócios que vão sempre estar ao meu lado e que eu pretendo estar sempre por perto...

Isso é amizade
isso é verdade

E saibam que as vezes não demonstro mas guardo cada pedacinho de vocês, cada histórinha, e amo muito e tenho muito zelo por vocês que compõem o meu sorriso todo o fim de noite...

E o que eu seria sem vocês?

29 de novembro de 2010

Futuro deliberadamente PRO-VI-SÓ-RIO


Já diria a dialética explicada pelo Prof. Wilson Leite através de Alice no país das maravilhas...

Quando Alice come um pedaço do cogumelo ela fica grande de mais...
E a portinha pequena de mais...
Quando Alice come novamente, fica pequena de mais...
E não pode alcançar a maçaneta...
Logo se percebe: O ideal não acontece, explicitamente não!

Ainda bem que era tudo provisório, sim provisório...
Infelizmente provisório...
Essas coisas nunca passam de devaneios intertelados, inacabados...
Coisas da minha dissociação...
Mera distração
Ensaios do meu coração...

27 de novembro de 2010

Futuro pro-vi-só-rio?!


Estou tão ausente de mim...
Sim! Sonhos azuis borboletas flutuantes...

Devaneio?
Doçura?
Ahhhhhhhhhhhhh
Maguinífico
Deleite puro!

Pura púrpura anestesia delirante...

Coisas acontecem...
E não percebemos na maioria das vezes que ele vem recheados de bombons e carregados por balões -aqueles amarelos...

Não sei me definir...
Mas isso agora se torna tão bom...
não quero definições e premissas "atropeladas"

Quero apenas aquilo, tão logo outra vez:

Toques,
caricias únicas
aquele sabor diferente do hortelã...

Toda a magia inimaginável
e a vontade de chorar, de sair por ai...
De ultrapassar essa vida que se limitava apenas em mim...

Espero que de tudo certo...
Espero que o falar seja cada vez mais calmo, o abraço cada vez mais forte, o sentir verdadeiro -esse que à muito não ocorre e tão pouco prevalece...

Eu não estou com os pés no chão...
Nunca tinha flutuado assim: acima de mim mesma...
Acima dos ensinamentos e experiências machucadas, atreladas, delimitadas...

Vamos sorrir...
E não nos preocupar com o que pode (ou não) acontecer...

Que tal tentarmos viver?

O simples e voraz, tranquilo e persistente, o sonho e o pesadelo...
Apenas um futuro!

5 de novembro de 2010

Raro e voraz precisar!




Eu me encanto por tão pouco
Que tola sou!

Preciso que abram -preciso abrir- a minha cabeça e me expliquem que não existe ninguém que vá me dar balões, que vá me trazer flores amarelas, ou sorrisos abertos!

Preciso crescer, deixar de lado essa menina mimada que há dentro de mim!

Preciso não precisar das coisas e ser menos consumista, preciso que as coisas não me ataquem com tanta frequência...

Eu preciso de braços abertos, passos largos e amigos por perto...

Preciso de ATITUDES depois palavras...

Preciso de mim... Quem sabe depois outro alguém...

Me suprir em mim mesma
Me amar
Rir de mim mais vezes -não o contrário!

Preciso precisar, querer mais que isso...
Objetivar caminhos mais longos e piscinas mais profundas...
Cansei dessa maré, quero remar/rimar em outros caminhos
Abrir minha mente, me perder nos buraquinhos...
Aqueles engraçadinhos que nos fazem virar os pés durante as curvas e as linhas inclinadas...


Preciso de dosagens absurdas de mim:
drenadas
somadas
multiplicadas
AMPLIFICADAS

Preciso de mim de fato, preciso parar de me atacar, de me destruir!

Preciso me fazer forte e inteligente como fui/sou

Preciso publicitar
pintar
ousar
cantar
extravasar...


Pra se precisar é preciso se querer

A resposta pro meu tanto precisar é: Eu quero!

Ter domínio das coisas e as redias de mim, ser meu eu, meu entremeio, minhas mesclas e minhas linhas não expressas!