"Alma limpa, amor na transversal...
Planejando o (in)certo"


31 de outubro de 2010

No more tears




Vim me definir: confusa e avessa -mas uma vez!
Vim não se de onde, desci não sei de qual entrelinha/escadinha!
Vim, de teimosa e mimada que sou!
Vim de louca e ousada que não deixo transparecer...

Estou tão cheia de lágrimas e tão cheia delas...
Eu quero ir pra um lugar que ainda inexiste...
Quero ir contra a corrente, do outro lado da ponte...

Viajar

Ir e ficar

Sintonias continuas difusas e opostas
Ah! Menina, não se deixe atropelar pelas esquinas,
caminhe devagar, cautelosa..
e
Desfrute das prazes e dos desprazeres desse mundo
Desfrute da verdade oculta que está dentro de você -dentro de mim, dentro de alguma delas- desfrute!

Vá enfrente ainda que "elas" caiam
ainda que você se desaponte
Ainda que raios de sol desponte em sua manhã tão fria e sórdida

Vem!

Chega, já deu...

A boneca-menina-azulada está sorridente feliz com seu presente
angustiada em seu amanhã
inconclusa em você
incerta dela...

Passos largos vamos dar, pontes longas atravessar
assim mesmo nesse leve caminhar!

Uma estrela volta a brilhar uma boneca desmantelada volta a reinar!

Chega...

28 de outubro de 2010

Mah-louca, Mahluca...



"Mahluca": Ela é assim de aromas impressindíveis e sabor desconhecido...
Gosta de amoras mas quase nunca as encontra

Tem um esboço colorido...
Um resquício de alma perdida

Ela é de passos e gênio forte...
Madeira...
Lasca pura...
Registro ausente...
Presente dormente

Ela quer ir mas as pernas pretendem ficar...
Passos largos quer dar, braços abertos
Futuro ameno...

Mah-louca, me chamaram uma vez e assim se fez...

Projeto destroçado de uma boneca tola...
Demasia púrpura de uma reles menina...

Mah-louca de vontades alaranjada e verdades inauguradas...

"Mahluca'' de sonhos azuis e amores ausentes...

27 de outubro de 2010

Alívio


Um dia qualquer
Um espaço qualquer

Já não objetivo mais...

Um amor qualquer
Um alguém qualquer...

Sorrisos não esboço mais

Um desenho qualquer
Um nome qualquer

Palavras já não tem tamanho siguinificado

Um toque qualquer
Uma alucinação qualquer

Comprimidos já não fazem mais efeito

Um quadrado qualquer
Uma cor qualquer

Já não sei mais brincar de colorir

Um amigo qualquer
Uma mentira qualquer

Desejos não tem sentido
cores desbotam facilmente
vestidos sobem com o vento
cabelos balançam tão desrritidados

Estou -novamente/exaustivamente- cansada!
Quero um viver além do morrer, além do levantar todos os dias, de inventar sorrisos contagiantes...

Quero? Eis a questão

Não existe explicação...

Vento e chuva... Isso sim propicia alívio...
Tudo que tão logo espero sentir!

22 de outubro de 2010

Paixão?


O que é realmente paixão?

Eu geralmente me encanto, isso é diferente?!
Creio eu que a magia presente no encanto tende a ser mais duradoura e menos obsessiva

Eu enquanto ser pensante me encanto-canto pelos quatro cantos do mundo...

Como pode Encanto, eu quero entender?
O que de tão sedutor algumas pessoas tem que me encantam?
E paixão?
Nunca senti isso por pessoa alguma...
Não, de fato.

"Amizade" (leia-se afeição) e depois alguns passos dados...

O encanto é lindo, mais simples que a paixão e duradouro...
não se corta como conta não paga de energia..
Ele sobrevive as distancias, as discordâncias e a falta de confiança!

Sim, como é forte não?
E como vibra...

As marcas de um encanto não mudam jamais...

Uma vez encantado, três vezes apaixonado (rsrs)!
Ainda que não saiba posso sentir
deliberadamente
exaustivamente
friamente

Paixão é intolerante, pretenciosa e folgada
Como pode se juntar a todo esse encanto? -e que não falemos de amor-

rsrs

Menina, não tropece nas entrelinhas no encanto afiado que esses lábios tem para te provocar
Não masque todas as balas, guarde pra quando o encanto se tornar paixão e você não souber o que fazer...
Vai me agradecer pelas balas
pelo encanto atrelado e pela ligação forçada que existe entre esse encanto -não deliberado- e essa paixão desmantelada;