"Alma limpa, amor na transversal...
Planejando o (in)certo"


5 de agosto de 2010

Esperança comprimida


Pequenina e amarelada
Não estou -eu agora- com vontade alguma de:
sabonete,
água,
condicionador,
hidratante,
desodorante
brilho intensificante...

Vaziaaaa

O mesmo de sempre...
O mesmo e o não sempre

Com vozes não interpretáveis que roubam cenas
Vozes essas confusas perdidas na imensidão de meus pensamentos
Vozes difusas não conclusas...

Meu eu?
Não eu?
Não, eu?
Não! Eu.

É, pois é!

Dosagens absurdas de mim mesma, partes mal interpretadas, mal trajadas, nada despojadas de outro eu que continuam resultando em mim mesma...

Tento fugir dessa, traço rotas de fugas
Mas como fugir de si(?)!
Como não ser você?
Não quero outra morte pontilhada ou mais dores laminadas

Cansei...

Quero dormir e não acordar, não quero mais ouvir sinos a badalar!

Um comentário: