"Alma limpa, amor na transversal...
Planejando o (in)certo"


3 de junho de 2010

Extrema!



Aspectos devorados, sentimentos inquietos, realidade quebrada, extrema "extremista" delimitada!

Não, eu não sou perfeita, pelo contrário, sou terrível!
Isso eu digo agora...
Enquanto essa: de humor mutável e personalidade instável...
Sou rocha e brita de sentimentos concretados e dor detestável, não eu não entendo, eu ouço vozes, ouço uma música, linda... Tão profunda...

Muito me assusta o que se passa: amor profundo, ódio extremo...

Queria ter/ser meu próprio meio termo, simples: um pouco de cada, pra dar aquele equilibrio sabe como é? Pois é..

Um extremo é tão voraz quanto a tormenta, tem uma capacidade de engolir, devorar tudo que se vê pela frente as conquistas nunca são o bastante, e são tão destruíveis, e como são!

Digo isso porque sendo uma extrema desvairada aniquilo tudo aquilo que me é de direito.
Tenho medo, mas não controlo...

Não quero continuar assim: -extremo- extremamente volúvel...

É tão dolorido, prefiro cores -extrema anestesia purpura- Ah! -suspiro- Essa criança aqui mais uma vez cansou e está prestes a desabar -doce desabafar- Ah minha menina, tão pequena e desprovida de ensinamentos dessa vida...

Não quero terminar... não sinto um fim para aqui deixar...
Ainda assim pretendo continuar: extremo delírio azulado!

Nenhum comentário:

Postar um comentário