"Alma limpa, amor na transversal...
Planejando o (in)certo"


25 de abril de 2010

Quase uma narração!

Cá estou em em uma manhã fresca de domingo... Tudo ia bem quando um avulso me pergunta no chat - Aquele onde bipo-borders e depressivos marcam presença - Ele pergunta: - O que você gosta de fazer? (Essa pergunta surgiu porque eu não sou normal pra eles... É pra ser normal deve-se assistir séries e gostar de TV e dizer que filmes de terror não são superficiais, Sim, Acreditem...) Daí eu respondi: - boa conversa, boa musica, bebida!
Tenho um ritmo de vida acelerado não me sobra muito tempo,e quando sobra é porque estou com nojo de mais de viver...
Daí vocês podem ver no printezinho: "UM CASO PARECIDO COM O MEU"...
Ela ainda é uma criança envolta em seu próprios medos e discordância, questionei qual o problema, ela disse que tem um problema com o namorado que fez coisas ruins, certo e provável que ela acha que o ama, não que eu não acredite, mas que eu ache improvável, é! Neste momento estou sendo cruel com ela, porque, é porque? Ninguém foi cruel comigo e eu sofri do mesmo jeito então... As pessoas tem medo da verdade eu não tenho, e a dor é ensinamento, as pessoas tão elas mesmas achando que seus problemas são os únicos e veridícos...

Classe média, logo imaginei e foi fácil de constatar, problemas típicos de classe média, daqueles onde os familiares mal se falam sabe, pai suprindo todas as necessidades dos filhos com presentinhos caros...
Eis o perigo...
Queria entender sabe, juro que queria, uma menina de classe média até então amada, cheia de grandiosidades e um futuro promissor achando que tem problemas... Doí as vezes ver tamanho egoísmo e pretensão...
Talvez porque eu tenha sido assim... Tenha me moldado em mimos e presetinhos caros, e agora? Mais dor que de costume, cortes, é! Feridas na pele, dessas que acontece quando nosso âmago estertora e isso não sai de jeito nenhum, eu preciso que ela entenda isso, pra que não faça tal crueldade consigo mesma...
Ter um rosto bonito e o interior cheio de impurezas...
Manipular, jogar, furtar....
Não posso permitir tamanha retaliação traumática...
Até então nunca havia me exposto de tal forma, mas se alguém não der a cara a tapa como vai ser...
Estou cansada do lirismo, dos pés tortos e do cinismo que atinge nossa face quando citamos amor ao próximo...
Certamente foi isso que os até então amigos usaram para ganhar o máximo de confiança e inspirar credibilidade na tal garotinha que agora se despedaça e se sente totalmente sozinha, nula, esquecida no canto do baú... Por mais que ela tenha pessoas por perto não sabe direito como confiar, confia em um ama três, sente um nojo tremendo dos demais, é bem assim crises intermináveis falta de acompanhamento e medicamentos de mais!
Esse é o dia dia de alguém que chega em casa se fecha em seu mundinho cortante de insignificancia atemporal, de verdades planejadas e sentimentos indeterminados... Alguém que não sabe do amanhã e que talvez planeje não ter um...

Um comentário: