"Alma limpa, amor na transversal...
Planejando o (in)certo"


13 de outubro de 2009

Não leia, leia-se!



“Porque às vezes o sentir fala mais alto que o existir...”

E é assim que se começa longas e intermináveis viagens para dentro de si, deixado de lado essa existência externa que não faz jus aos sentimentos que ferem a alma “(in)voluntariamente” .

Arre! Que coisa mais falsa e nada azulada...

“Tenho um coração lavanda que fere a faca e a faca será ferido...”

Não sei mais como ser... Sou esse nó fraco que se desajeita em vão que não dá valor e que ainda não sabe bem -mentira- o sentido desse tal amor/amar, tenho marcas que às vezes me doem, não sou nem um pouco simples mais uso da sensatez, tenho um desejo que não conto, tenho um segredo que não escondo, sou pontilhada, se me der a mão te mostro o outro lado, o lado dela, mostro a outra não tão colorida possivelmente dissimulada!

Que sentimentos são esses? São sentimentos? Bah sentimento é o nome que damos para aquilo que inventamos, aquilo que usamos como desculpa pra poder chamar alguém de nosso!

Adoro as loucuras desabotoadas e até o cinismo que escorre por entre os dedos, a maldade Ah! A maldade , não se deve gostar dela mais é que as vezes ela cai tão bem e parece tão doce –doce açúcar queimado- sei que devo reprimir esse tipo de coisa mais ela me faz rir, principalmente se for má comigo mesma, me doer é um vicio... a solução ainda inexiste!

"Sou apenas um elemento inerte nos braços de minha própria confusão..."

Nenhum comentário:

Postar um comentário