"Alma limpa, amor na transversal...
Planejando o (in)certo"


10 de setembro de 2009

Euforia a seco



[...]Porque do nada começa a dançar, não dança de leve, dança pesada, dança sem condutor, cor pó si só, gritando alto remexendo em busca de algo, algo terno algo que o leve, que mude, algo louco que o promova[...]

Vem assim do nada começa brando, uma pontinha de euforia, depois vai caminhando devagar até chegar ao ponto de loucura, sim! Loucura, tortura, vontade que ultrapassa o azul, vontade mais do mal que vai tomando conta, queimando mais que café quente, vontade que tende em aparecer de momento em momento, a cada passo novo dado, não precisa dar certo pra ela aparecer, na verdade quanto mais ruim mais ela vem forte e cortante, ela vai te elevando elevando e quando perceber estará alto o suficiente para tem um queda majestosa sim daquelas onde se despedaça a coroa e se faz sangue, sangue puro, vermelho brutal.

Não é interessante ver-se/ter-se em pedaços e pior ainda ter a consciência disso, total consciência confusa e sem nexo que usa e abusa e se faz culpa por saber/prever e não controlar!

Um comentário:

  1. Não é interessante ver-se/ter-se em pedaços e pior ainda ter a consciência disso, total consciência confusa e sem nexo que usa e abusa e se faz culpa por saber/prever e não controlar!

    rum...é o que eu penso! ;)

    ResponderExcluir